home-office-638ba3a0

Home office na quarentena

Um novo modelo de trabalho está se destacando durante a pandemia
O COVID-19 não afeta somente a saúde das pessoas, ele também é responsável por mudanças na economia e na rotina dos brasileiros e de todos ao redor do mundo. 

O que se tem visto com maior frequência são as empresas liberarem seus funcionários para fazer home office que, na tradução literal, significa escritório em casa. Esse método é utilizado geralmente por profissionais freelancers ou autônomos. 

Mas para que esse tempo de trabalho em casa seja produtivo, alguns cuidados devem ser tomados, entre eles o cumprimento do horário de trabalho comum e a procura por um lugar na casa onde se assemelhe ao seu local de trabalho no dia a dia.

Ferramentas como o Skype, Zoom e Trello, podem ajudar também no home office para realizar reuniões e organizar a agenda. Com uma equipe bem integrada os resultados virão com mais facilidade e sem sobrecarga de nenhuma função.

 

medhat-dawoud-f-3mUXFLY2aaa

O marketing de quarentena

Quando a humanização vende mais do que divulgar o seu produto

Em um período de quarentena, como o que estamos passando, a internet é o principal meio de comunicação, tornando o marketing digital um mecanismo ainda mais funcional.
No entanto, as metas e objetivos devem ser todos repensados, para que assim a empresa possa caminhar junto à população e não ignorar um importante momento para a sociedade.
A melhor maneira de fazer isso é mantendo o plano inicial e se preparar para mudanças repentinas, de modo que toda a empresa esteja em consonância. Aplicativos de reuniões e organização podem ajudar em momentos como esse.
Outro ponto do marketing durante essa pandemia é sobre abordar ou não o assunto COVID-19. Contudo, a solução é simples: o fato de tratar de negócios ao longo desse período pode ser criticado, portanto deve-se praticar o exercício de estar sempre ajudando e ser lembrado por isso.
Uma empresa humanizada sempre é vista com outros olhos.

beneficios-da-tecnologia-na-saude-min-1280x720

Tecnologia em prol da saúde

Ministério da Saúde lança app para orientar pacientes sobre o coronavírus

No século da informação e da tecnologia, os aplicativos de celular têm uma enorme aceitação da sociedade e através deles, muitas mudanças podem ocorrer.
O Ministério da Saúde lançou o app Coronavírus-SUS, que conta com essas funcionalidades essenciais para a população:
– Informativos de diversos tópicos como os sintomas, como se prevenir, o que fazer em caso de suspeita e infecção;
– Mapa indicando unidades de saúde próximas;
– Em caso de suspeita de infecção, o cidadão pode conferir se os sintomas são compatíveis com os do Corona, e caso sejam, será instruído e encaminhado para a Unidade Básica de Saúde mais próxima;
– Área de notícias oficial do Ministério da Saúde com foco no Coronavírus.
Com acessibilidade voltada a todos, o aplicativo esta disponível na Play Store e App Store. A pandemia do COVID-19 não pode ser combatida sem a ajuda de todos, vamos fazer nossa parte e utilizar a internet para orientar e salvar vidas.

medhat-dawoud-f-3mUXFLY2aaa

As 7 tendências do marketing de 2020

Um relatório feito pela multinacional Deloitte, referência internacional em auditoria e consultoria empresarial, identificou as sete principais tendências do marketing para 2020. São elas:

  • Propósito;
  • Experiência humana;
  • Fusão;
  • Confiança;
  • Participação;
  • Talentos;
  • Agilidade.

Para chegar ao resultado, o estudo ouviu 80 especialistas em diversos mercados globais, incluindo Brasil, China e Estados Unidos.

Em todos os pontos de estudo, o foco na experiência do cliente é fundamental e é uma tendência no mercado ocidental e oriental.

Marketing de conteúdo que dá resultados

Em Cannes Lions 2019, metade dos casos premiados foram pautados por campanhas de propósito – segundo levantamento de Márcio Borges, VP da WMcCann Rio.

Outro estudo publicado na Harvard Business Review afirma que empresas com altos níveis de propósito superam suas concorrentes em taxas que vão de 5 a 7% por ano.

Assim como companhias com propósito, consumidores também valorizam a confiança, aponta o estudo. Segundo pesquisa da Sprout Social, 86% dos consumidores estadunidenses acreditam que empresas transparentes são mais importantes hoje do que em qualquer outro momento da história, e isso se traduz nas intenções de compra, afirma o documento.

medhat-dawoud-f-3mUXFLY2o-unsplash

As marcas mais valiosas de 2019

O ranking Marcas Globais mais Valiosas, desenvolvido pela Interbrand, foi divulgado nesta semana com a liderança da Apple, em segundo lugar, o Google e em terceiro, a Amazon.

As primeiras marcas mantêm a posição há sete anos. Em relação à 2018, a Apple registrou um crescimento de 9% (US$ 234.241 bilhões), e o Google de 8%, enquanto a Amazon registrou um incremento de 24% (US$ 125.263 bilhões). O Uber aparece pela primeira vez no ranking, já na 87ª posição e o LinkedIn, na 98ª.

A Disney voltou para o pódio na décima posição, com um valor de US$ 44.352 bilhões. Além das marcas já citadas, integram o ranking: Microsoft na 4ª posição (US$ 108.847 bilhões), Coca-Cola em 5º (US$ 63.365 bilhões), Samsung em 6º (US$ 61.098 bilhões), Toyota em 7º (US$ 56.246 bilhões), Mercedes-Benz em 8º (US$ 50.832 bilhões) e McDonald’s na 9ª posição (US$ 45.362 bilhões).

A queda do Facebook foi uma surpresa, que deixou de integrar o top 10, descendo da 9ª para a 14ª colocação. A rede social entrou pela primeira vez no ranking Interbrand Marcas Globais Mais Valiosas em 2012, na 69ª posição, e registrou um crescimento constante nos cinco anos seguintes. Em seu auge, em 2017, ficou em 8° lugar com um valor de marca de US$ 48.188 bilhões.

A Mastercard cresceu 25% no valor da marca, subiu oito posições, saindo da 70ª para a 62ª. A Dell, depois de seis anos fora da classificação, retorna à 63ª posição, com um valor de US$ 9.086 bilhões. O valor total do portfólio das 100 principais marcas é de US$ 2.130.929 trilhões, um crescimento de 5,7% em relação ao ano passado. O valor do ranking em 2018 foi de US$ 2.015.312 trilhões.

Para elaborar o ranking, a Interbrand analisa três aspectos: desempenho financeiro dos produtos ou serviços da marca; papel que a marca desempenha nas decisões de compra, a força competitiva da marca e sua capacidade de criar lealdade e, portanto, demanda e lucro sustentáveis no futuro.

novo-rotulo-heinz

Os consumidores mudam, as marcas inovam

Heinz inverte rótulo e coloca seus ingredientes na frente

Em tempos de consumidores exigentes e informações cada vez mais rápidas, as pessoas não consomem da mesma maneira que nas décadas passadas.

Os novos hábitos de consumo e a facilidade com que se consulta tudo, o tempo todo na internet, fizeram com que as pessoas notassem e exigissem qualidades que até então, as marcas não precisam se preocupar.

O rótulo dos produtos é um deles, que tem se tornado visíveis e mais perceptíveis aos consumidores exigentes do século XXI.

De olho nisso, a gigante Heinz inovou e colocou as informações nutricionais do rótulo, na frente da embalagem, com bastante destaque para mostrar aos consumidores uma das principais características do produto que a marca quer vender: não usam corantes, nem conservantes.

Além da inovação visual criada pela Heinz, a ideia também é sustentável e vai ao encontro de uma discussão antiga sobre a rotulagem consciente dos alimentos. Desde 2014, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) trabalha com ONGs e associações do consumidor para propor soluções de melhoria da informação nutricional no Brasil.

“Desde sua fundação, em 1869, a qualidade e integridade dos ingredientes para resultar no melhor sabor é preocupação chave de Heinz em todos os nossos produtos, e isso não é diferente em nosso Ketchup.  Percebemos, no entanto, que muitos dos nossos consumidores não sabiam disto e nem do que ele era feito.” disse Isabella Rizzo, diretora de Marketing da Kraft Heinz.

Os novos rótulos do ketchup poderão ser vistos em todo o Brasil já nos próximos dias, quando a marca trocará os produtos nas prateleiras de todo o país.

O rótulo repaginado da Heinz com as informações nutricionais na frente, um recurso inovador para vender que a marca não usa corantes, nem conservantes